Visualizações de página do mês passado

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Oposição não dá nada a ninguém, quem tem o que dar é o governo?


FOI SOB A MARCA PT QUE TIVEMOS OS MELHORES GOVERNOS DO PAÍS
Fátima Oliveira
Médica –
fatimaoliveira@ig.com.br @oliveirafatima_

Refletirei sobre o futuro. Entendo que fazer projetos de futuro e lutar para concretizá-los é parte indissociável do viver, seja na vida pessoal ou na esfera da política.
Chama a atenção a oposição ao governo Dilma: o estilo fora do contexto em que ela flutua, desconectada da vida do povo, com um discurso arcaico de retomada do poder e se emproando de falar de algo que não encontra ressonância na vida real... A oposição fala exatamente de quê?


 Rugas e covas.: Aécio exibe seu novo olhar Foto: Agência O Globo / Ailton de Freitas
 

Além da renitente oposição que atende pelo nome de PSDB, há uma oposição em gestação que diz não ser de direita nem de esquerda; estribada numa birra personalíssima de alguém que quer ocupar a Presidência da República com um discurso venenosamente angelical, messiânico, sem eira nem beira... Todas as facções são incensadas pela grande imprensa, que não se acanha em louvar que a primeira arma da batalha eleitoral é o bisturi!
São situações que merecem um pouco mais de pensar, pois são emblemáticas de muitas coisas. Uma delas é a incapacidade da oposição de perceber que as conquistas obtidas sob a marca governo PT não podem ser olvidadas, pois melhoraram a vida do povo, que é grato e reconhece com o voto, único gesto capaz de dizer dos seus sentimentos.
O discurso da oposição só ressoará em corações e mentes se for capaz de engolir o orgulho e a insolência defendendo o conquistado; de não desfazer das conquistas e se comprometer a dar um passo adiante nas políticas públicas. Há espaço para tanto, posto que há muito a fazer no rumo de um Estado de bem-estar social em nosso país.
Tenho a opinião de que o PT no poder poderia ter ousado muito mais, mesmo no formato de governo de coalizão. Nunca tive muitas ilusões com o partido no governo, apenas intuía que o sofrimento do povo poderia ser refrescado. O que é muito, comparando-se com governos passados. E continuo na mesma. Sempre avaliei que, sendo o PT um partido de extração reformista, jamais revolucionário, cuja grande aspiração nunca foi além de gerenciar a crise do capitalismo e concretizar alguns direitos, seria de bom-tom não sonhar demais. E continuo na mesma.


O MODO PETISTA DE GOVERNAR
 

E, cá com meus botões, avalio que, infelizmente, apesar do muito mais que poderia ter feito, e não fez nem fará, foi sob a marca do governo PT que tivemos os melhores governos da história do país, nos quais o povo se sentiu valorizado e acariciado e é foco das atenções. Nem mais, nem menos.

Luiz Gonzaga e Gonzaguinha É péssimo não haver uma oposição que se coloque como alternativa viável de progresso social, perpetuando no poder uma visão política que se sente "a última bolacha do pacote". Com a oposição antipovo que está na praça, todos perdemos, pois ela é incapaz até de dissecar a filosofia do Gonzagão ("Oposição não dá a ninguém, quem tem o que dar é o governo"), que sempre achei sem razão, mas que ilustra por que o povo tem deferência com governos que respondem minimamente às suas necessidades.

 (Historiador Frederico Pernambucano de Mello)
Dominique Dreyfus - biógrafa de Luiz Gonzaga (Foto: Luna Markman / G1)  (Dominique Dreyfus lançou biografia de Gonzaga  em 1997, pela Editora 34)

Para o historiador Frederico Pernambucano de Mello: "Para viabilizar ajuda a fim de abrandar o sofrimento de sua gente, para Luiz Gonzaga, o caminho mais fácil seria estar próximo e colaborar com o governo". Para Dominique Dreyfus, autora de "Vida do Viajante - A saga de Luiz Gonzaga": "Ele dizia que, como os respeitava (os militares), ia pro Planalto e conseguia muita coisa. Falou que conseguiu batalhar quando tinha uma seca, levar comida, levar ambulância, dinheiro. Luiz Gonzaga falava que era mais útil desse jeito. Então, ele tinha consciência que talvez tivesse alguma coisa errada".


Publicado no Jornal OTEMPO em 26.02.2013

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A resignação papal e o equívoco de nominar um partido de rede

O Papa Bento 16 deixa o salão Paulo 6º, no Vaticano, ao final da primeira audiência pública depois de anunciar sua renúncia
CONCEITO É OPOSTO AO DOS PARTIDOS; A INTENÇÃO É ENGANAR
Fátima Oliveira
Médica –
fatimaoliveira@ig.com.br @oliveirafatima_

São muitos os assuntos que merecem uma palpitada. Difícil de escolher. Há a resignação de Bento XVI e a fundação da Rede de Sustentabilidade, partido político que se envergonha de se chamar de partido. É direito de cidadania a organização em partidos políticos. Eles, os partidos, nunca são demais, mesmo quando não concordamos com seus fundamentos.

 
(Marina discursa no lançamento do “ ”Rede de Sustentabilidade”)

O envergonhado partido Rede da Sustentabilidade, em que pese a sua ideóloga-mor ser evangélica, no tocante aos direitos humanos das mulheres, de gays e de lésbicas, em muito coincide com a Santa Sé.
Na prática, farinhas do mesmo saco. A surpresa é o equívoco de nominar um partido político de rede. Só o personalismo de se achar "a última Coca-Cola do deserto" explica por que políticos ousam se apropriar de um conceito que é o oposto àquele dos partidos. A intenção é enganar. Sim, engabelar!


Marina Silva



Eis trechos de um artigo de minha autoria, "Redes: o desafio da democratização de saberes e poderes - limites e possibilidades" (2001), no qual digo que a forma organizativa rede, "estabelecida na década de 1970, em contraposição às estruturas piramidais ou verticais de ação e de poder (formas organizativas hierarquizadas)", é "uma articulação política entre ‘pares’ (iguais)"... "Uma rede tem como alicerce a horizontalidade das decisões e do exercício de poder e visa organizar pessoas ou instituições - ou pessoas e instituições - de forma igualitária, democrática e solidária, temporária ou permanentemente, em torno de um objetivo comum, tendo como fundamentos: autonomia, compartilhamento de valores e objetivos, vontade, conectividade, participação, multiliderança, informação, descentralização, múltiplos níveis de operacionalização e dinamismo". Enfim, um partido político jamais será uma rede! Assim como a Santa Sé e o Vaticano não constituem uma rede.


papa bento XVI deixa vaticano

A grande pergunta é: por que a resignação, como a Santa Sé está chamando a renúncia de Bento XVI, do chefe da Igreja Católica e do governo teocrático do Estado do Vaticano (Estado eclesiástico ou sacerdotal-monárquico) desperta voyeurismo? Não é apenas porque o catolicismo romano é uma das grandes religiões monoteístas, mas, sobretudo, porque ele se imiscui na vida de todos os povos ditando regras, por não se conformar em mandar apenas em seus fiéis, mas tem se omitido diante da pedofilia clerical e convive com falcatruas do seu banco oficial.
O catolicismo romano se divorciou do viver do povo, e a opção preferencial pelos pobres, de há muito, virou uma figura de retórica, como disse Toni Negri, em "As Duas Renúncias do Papa Alemão": "Todos os que estão atentos aos assuntos da Igreja romana sabem que outra renúncia, bem mais profunda, dera-se antes... Ocorrera em parte sob João Paulo II, quando, com o apoio fervoroso de Ratzinger, a abertura aos pobres e o empenho por uma Igreja renovada pela libertação dos homens da violência capitalista e da miséria terminaram".

papa bento vxi renúncia Desde então, a única bandeira que a Santa Sé e o Vaticano empunham é a defesa incondicional da vida de embriões e fetos, em detrimento da vida concreta das mulheres que, em determinado momento da vida, não desejam ou não podem ter filhos. Continuo achando que é imoral obrigar uma mulher a ter um filho quando ela não quer ou não pode. Pero, a Santa Sé e o Vaticano são o que são e assim se dão bem, pois é conveniente demais ora se comportar como religião ora como Estado, segundo os interesses do momento. Eis o futuro de qualquer dos cardeais que sairá da Capela Sistina ungido papa. Sem ilusões.
 

 Marina Silva e o Capitao Planeta por Piaui Herald 580x275 Capitão Planeta anuncia filiação ao partido de Marina Silva (Marina conversa com correligionários e simpatizantes da Rede Sustentabilidade)
Publicado no Jornal OTEMPO em 19.02.2013

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

O baile de máscaras "Bem Te Viu, Bem Te Vê", na Savassi



VIROU UM MISTO DE PIAZZA DE SAN MARCO E BAILE DO DOGE
Fátima OliveiraMédica – fatimaoliveira@ig.com.br @oliveirafatima_

Quem não foi, perdeu! O quarteirão do Ronaldo Fraga, emoldurado pelo lirismo do território da Savassi, virou um misto de Piazza de San Marco e Baile do Doge, o mais tradicional baile das máscaras de Veneza. A bióloga Ana Flávia Almeida & Companhia Ilimitada estão de parabéns pela concepção e realização da ideia. Estive lá, com a minha máscara de Colombina e uma peruca bem fashion, branca e lilás, bem veneziana, e me esbaldei de pular Carnaval até o último suspiro da banda Coceira no Bibico, que segurou a animação até 22h. Ficou um gostinho de quero mais... Eu ficaria ali até o sol raiar...

 
 O "Bem Te Viu, Bem Te Vê" foi uma bricolage de baile de máscaras e commedia dell’'arte - "teatro popular improvisado e itinerante, de estrutura familiar, apresentado em praças e ruas, que começou no século XV na Itália e se desenvolveu na França até o século XVIII". Scaramouche, Briguela, Isabela, Polichinelo, Capitão Matamoros, Pantaleone, Pierrô, Colombina, Arlequim ("Pierrô ama Colombina, que ama Arlequim, que também deseja Colombina") são todos personagens que a commedia dell´arte celebrizou e eternizou...


Baile Bem Te Viu, Bem Te Vê na Savassi

Pela falta de petiscos e bebidas nas barraquinhas desde as 20h, fica explícito que a organização não esperava aquele mundaréu de gente! Lição para as próximas edições do baile de máscaras "Bem Te Viu, Bem Te Vê", que caiu no gosto da classe média belo-horizontina. Tudo a ver com a origem do baile de máscaras, que, "introduzido pelo papa Paulo II, adquiriu força nos séculos XV e XVI, por influência da commedia dell´arte... O primeiro baile de máscaras de que se tem notícia no Brasil foi realizado no hotel Itália (Largo do Rócio, RJ), em 1840... De um lado, a festa de rua, ao ar livre e popular; do outro, o Carnaval de salão, que agradava, sobretudo, à classe média emergente no país".

Foto da capa Imagina eu ali no "Bem Te viu, Bem Te Vê" pensando estar anônima! De repente aquela gritaria, em meio a risadas de médicos e residentes do Hospital das Clínicas: "É a Fátima! É a Fátima do PA, não é?".
Cá com meus botões: essa meninada acha que eu nunca poderia estar aqui, é isso! Pensa que eu só sou trabalho, toureando em pronto-socorro entupido de gente (Padilha, meus sais!). Ufa! Respondi: "Ontem, era!". Não teve jeito, tive de ficar foliando por ali... Já em casa, fiquei rememorando outros carnavais...
Repito: sou foliã do Carnaval de Sabará, talvez pela semelhança dos carnavais do meu tempo de Maranhão, antes da contaminação da carioquização (escolas de samba) e baianização (ritmo axé) dele:
"É o ar de festa do povo do lugar e os homens vestidos de mulher! No centro histórico, nas três praças da muvuca, quase toda casa vira uma venda de água, refrigerante, cerveja e de alguns `comes´; mulheres idosas nas janelas pulando Carnaval dentro de suas casas, na maior animação; e a criançada fantasiada, subindo e descendo as ruas, acompanhando os blocos, ao som das marchinhas de bandinhas que encantam serpentes... E eu, lá no meio da folia, sinto que todo mundo está ali pelo lúdico da vibração" ("O Carnaval de Sabará é mágico, caseiro e descontraído", O TEMPO, 21.2.2012).
  E bateu uma saudade imensa dos fofões do Carnaval maranhense, com seus macacões de chita de cores alegres, máscaras horripilantes, gracejando pelas ruas... A origem do fofão remonta à commedia dell´arte, mas não me perguntem como aportou e se fixou em São Luís, que não saberei responder...
Apenas que o fofão é personagem sagrado do Carnaval maranhense, desde que eu me entendo por gente...

  Publicado no Jornal OTEMPO em 12.02.2013

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Amigo fiel: do cavalo do amanhecer ao mangalarga machador


 
(Samba-Enredo 2013: Beija-Flor de Nilópolis)
Compositor: J.veloso, Ribeirinho, Marquinho Beija Flor, Gilberto, Silvo Romai e Edilson Marimba
Participação Especial: Cláudio Russo e Miguel)





Eu vou cavalgar, pra encontrar
A minha história nesse mundo de meu Deus!
Venho de longe de uma era milenar,
Fui coroado quando o dia amanheceu!
Brilha, estrela guia... Um viajante, a sua sede a matar!
Presente de grego, que grande ironia
Herói das batalhas, real montaria!
Com asas surgiu do infinito, tão claro mito..
A joia rara de Alah!
Cigano... Buscando a purificação!
Trotando elegância e bravura,
A minha aventura se torna canção!

 
É o bonde que vai, carruagem que vem...
Na viajem que trás, o amor de alguém!
Indomável corcel, alazão da Coroa...
Troféu da nobreza, estrela que voa!

 
Amigo do Rei, pela estrada lá vai o Barão!
Sul de Minas Gerais, galopei...
A riqueza da mineração!
Café me fez marchar... Ao Rio da corte a bailar!
Acreditar... Que fui a raça escolhida!
Sou um puro sangue azul e branco,
Um acalanto... a mais sublime criação!
Sou eu o seu cavalo de batalha,
Se a memória não me falha...
Chegou a hora de gritar é campeão!

 
Sou Manga Larga Marchador!
Um vencedor, meu limite é o céu!
Eu vim brilhar com a Beija-Flor..
Valente guerreiro, amigo fiel!




 Logo ABCCMM Vídeo: http://youtu.be/OVqCe_pv998
(Fátima Oliveira, montando o seu cavalo Taj Mahal  e Luciana Froede, montando o Capricho, ambos da raça Mangalarga Machador, em Cavalgada  à Fazenda Britânia, Brumadinho-MG)
 A história do Mangalarga Marchador

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Mortes preveníveis e evitáveis têm responsáveis: os governos



MORTES EVITÁVEIS DEVEM SER OBSESSÃO PARA O PODER PÚBLICO
Fátima Oliveira
Médica -
fatimaoliveira@ig.com @oliveirafatima_


O legado das mortes e das morbidades no incêndio da boate Kiss, em Santa Maria (RS), no último 27 de janeiro, é que mortes preveníveis e evitáveis devem ser uma obsessão para o poder público, em todos as esferas de governo.




Prevenir perda de vidas consiste em adotar medidas exteriores ao serviço de saúde para evitar doenças e mortes. O conceito de morte evitável se firmou, vem evoluindo e tem sido objeto de estudo de diferentes pesquisadores, desde a década de 1970, na Universidade de Harvard (EUA), com os trabalhos pioneiros de Rutstein, Berenberg et al, para quem "mortes evitáveis são aquelas que poderiam ter sido evitadas (em sua totalidade ou em parte) pela presença de serviços de saúde efetivos".


Mortes preveníveis e mortes evitáveis são aquelas precoces (antes do tempo), que não deveriam acontecer se os governos cumprissem a parte que lhes toca. A regra tem sido a omissão e a esquiva em assumir responsabilidades, tanto as atribuídas pela Justiça quanto aquelas que o sentimento humanitário indica... Na catástrofe de Santa Maria, o digno de nota foi a postura da ética da responsabilidade do governo da presidenta Dilma em todos os sentidos.


Fogo destrói casa de shows 'Canecão Mineiro', em 2001, em Belo Horizonte (Foto: Reprodução/TV Globo)Fogo atinge teto do 'Canecão Mineiro' (Foto: Reprodução/TV Globo)  (Fogo atinge teto do 'Canecão Mineiro' (Foto: Reprodução/TV Globo)

Na catástrofe de Santa
Maria, o digno de nota
foi a postura da ética da
responsabilidade
do governo da
 presidenta Dilma
em todos os sentidos.

 Não posso deixar de fazer um paralelo com o incêndio do Canecão Mineiro, em BH - 1.500 pessoas, das quais sete morreram e 197 ficaram feridas; pelo menos, o triplo foi atendido no João XXIII, Hospital Odilon Behrens e Hospital das Clínicas da UFMG. Eu estava de plantão naquela noite, 24.11.2001. Foi terrível. Não encontro palavras para descrever. Como médica, aprendi muito, naquela noite e na semana subsequente, sobre atenção à pneumonia química.
O Canecão Mineiro era uma casa de shows, na região central de BH, de grande porte: comportava 1.500 pessoas, mas não possuía alvará de funcionamento! Não havia saídas de emergência, apenas uma "entrada" e uma "saída" com catracas! A Prefeitura de Belo Horizonte saiu praticamente limpa, e o governo de Minas Gerais sequer foi cogitado como culpado! O prefeito de Belo Horizonte era Célio de Castro, que sofrera AVC em 8 de novembro daquele ano; o governador de Minas era Itamar Franco; e o presidente do Brasil, FHC.
Em 2004, "sete pessoas foram condenadas por homicídio culposo - em que não há intenção de matar - a quatro anos de prisão em regime aberto: o empresário da banda, dois músicos, dois promotores do show e o dono da casa de shows, além do irmão dele". Em 2008, as penas foram revertidas em prestação de serviço comunitário: "Dos sete condenados, somente um dos promotores da banda cumpre pena de dois anos e seis meses no Rio de Janeiro. As penas dos outros varia de um ano e seis meses a três anos e um mês de serviços comunitários".
"Entre todos os feridos e familiares dos mortos na tragédia, somente uma sobrevivente conseguiu indenização na Justiça. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) condenou a Prefeitura de Belo Horizonte a indenizar a mulher em 300 salários mínimos. É a primeira a conseguir reparação judicial pelos danos sofridos". Não cabe recursos e a sentença está em fase de execução.


Sempre-Viva Eis no que resultou como justiça a catástrofe do Canecão Mineiro, cujos atingidos estão por aí cuidando de seus dissabores, sequelas físicas e mentais, às suas custas: cada um por si! Depois de Santa Maria ou estabelecemos uma nova cultura do direito à segurança, do direito de ir e vir em segurança, ou a morte de tanta gente na flor da idade terá sido em vão e nos contentaremos em plantar uma sempre-viva para cada morte prevenível e evitável.


 (Colheita de sempre-viva, Ray Vieira)
Publicado no Jornal OTEMPO em 05.02.2013